{lang: 'en-US'}

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Resenha (review) do filme "Bom-dia, Vietnã"


Não há como negar e vocês irão constatar no decorrer deste post um fato: sou um grande fã de Robin Williams.
Mas isso não me impede de dizer que uma ou outra representação dele foi ruim. Como qualquer outro ator, o binômio más escolhas e roteiro ruim acaba por prejudicar e minimizar a interpretação, o que não significa dizer que as próximas atuações serão fracas.
Robin é um ator que tem maior destaque nas comédias. Seu feeling para o humor é algo inacreditável. Também devemos levar em consideração que o talento de Robin é muito grande quando o assunto é provocar lágrimas. Ele domina muito bem esses dois extremos - do sorriso à dor.
Para comprovar o que digo, fiz esta resenha sobre o filme "Bom-dia, Vietnam", um dos trabalhos de Robin Williams em que ele mais se destaca. Um detalhe: grande parte das atuações como o DJ Adrian Cronauer foram feitas na base do improviso absoluto, o que torna o resultado final muito mais fantástico.
Sei que é um filme antigo, porém é bom sempre relembrar que a qualidade é indiferente ao tempo. Ótimos filmes foram feitos e outros de igual nível ainda virão. Espero que gostem deste review e, principalmente, busquem assistir um clássico emocionante do cinema.

Bom-dia, Vietnã é uma obra diferenciada. Mesmo fazendo uso de um tema muito explorado (guerra do Vietnã), a abordagem de Barry Levinson é totalmente diferente de outras antes utilizadas. Na verdade, o filme aborda os dois lados da moeda: a visão vietnamita (onde os ocupados estão sujeitos às leis e vaidades dos "protetores") e a visão dos soldados estadunidenses (onde a agonia de estar em um lugar que não se deseja é minimizada pelo poder que lhes é "concedido").
A trama se passa em 1965, período em que ainda não estavam ocorrendo os verdadeiros conflitos sangrentos que marcaram a Guerra. Nesta época ainda era possível transitar com relativa segurança entre territórios e até pela exótica Saigon. É neste contxto que somos apresentados ao DJ e militar da aeronáutica Adrian Cronouer (Robin Williams). Cronouer foi destaque na região da Grécia onde usou seu talento como locutor para apaziguar as tropas naquele território. Em função de seu sucesso, o governo transfere-o para a região de Saigon onde, inicialmente, terá a missão de trazer lazer e diversão para as tropas norte-americanas.
O grupo presente no local onde Adrian irá tabalhar é bastante heterogêneo. Alguns lhe prestam inicialmente apoio incondicional, ao passo que outros demonstram uma certa resistência ao seu estilo de comportamento. De igual forma ao que ocorre em Patch Adams, a alegria e o sarcasmo de Cronauer - características que só existem quando vinculadas à inteligência -  atraem amigos e inimigos. O problema primordial é que entre seus amigos não há oficiais ou graduados de grande influência (excetuando-se um General que o apoia, mas nos bastidores), enquanto os inimigos são justamente seus superiores imediatos, o Sargento Phillip Dickerson e o Tenente Steven Hauk (ambos brilhantemente interpretados) que são aqueles que amamos odiar.
O conflito entre Adrian e seus superiores é baseado em uma regra no meio militar que perdura até hoje: o bom militar tem que ser sério. Caso o indivíduo não corresponda a essa perspectiva, provavelmente será excluído do ambiente - através do desembarque para outra Organização Militar ou por meio da expulsão.

A guerra do Vietnã

Barry Levinson mostra uma abordagem muito diferente da que estamos acostumados a ver em filmes de guerra. Em Bom-dia, Vietnã, o que temos é uma mostra sincera do cotidiano dos combatentes e dos que não estão no front. É comum vermos produções onde o foco é a cena de ação, exaltando o papel do soldado - o defensor da pátria e da democracia.
Aqui, contudo, o patriotismo não se mostra um combustível tão eficiente para manter a máquina de guerra funcionando. Sem as diversões (inclua-se prostituição, bebidas, drogas e abuso de poder) os soldados ficam entediados e, por consequência, tendem a praticar atos cada vez mais desregrados.
Os programas de rádio de Cronauer eram uma destas diversões, uma forma de evitar o descontrole e o caos.
Compreendido ou não por seus pares e superiores, ficou evidente que ele era uma fonte de estímulo aos combatentes no front.

O filme na opinião de um militar...

Bom-dia, Vietnã é um filme ameno. A guerra, suas consequências e o desgaste psicológico são mostrados com muito menos impacto do que em produções similares. Porém, é impossível deixar de elogiar o apuro no cotidiano do quartel. A rigidez dos superiores de Adrian, a ilusão por parte dos que estão começando a carreira, a camaradagem, o desprezo pelo indivíduo que não se adapta ao regime... tudo ainda está presente na instituição chamada Forças Armadas do Brasil e do mundo.
O excesso de humor ainda hoje é mal interpretado pelos militares. Um homem com o intelecto de Adrian Cronauer também sofreria as mesmas represálias caso estivesse atuando como militar em um quartel de qualquer uma das três Forças. A austeridade é cobrada como uma demonstração de profissionalismo por parte do militar, desconsiderando-se que o bom humor e a inteligência estão intrínsicamente ligados.
A perseguição é um recurso usado para minar a influência ou a força de quem queira ir contra o sistema. Tal como ocorreu com o personagem de Robin Williams, o desligamento para outra área é usual e eficiente para distanciar quem esteja contribuindo para a perda ou o desvio de conduta de outros militares.
Em resumo, quando não há uniformidade entre um indivíduo e os demais, soluciona-se o impasse com o corte da parte mais fraca. Isso explica o envio de Cronauer para outra unidade.
As atitudes extremas (estupro, espancamento, abuso de poder, assassinatos) são algo, infelizmente, extremamente comum em tempos de guerra. Os abusos em Abu Graib, a destruição de bibliotecas, os estupros, roubos de arte, uso de drogas, genocídio de crianças e muito mais do que gostaríamos de lembrar já ocorreram na história das guerras. Apesar de não ser incomum, tais fatos são crimes de guerra passíveis de punição com a morte, o que não impede que inúmeros criminosos saiam ilesos e voltem às suas vidas civis ou continuem no meio militar como se nada tivesse ocorrido.

Pontos fortes da produção

A direção de Barry Levinson mostrou-se favorável à atuação de Robin. Com liberdade para agir e atuar, as cenas em que ele incorpora Cronauer são as mais naturais possíveis, com um humor fluente e rápido. Já nas locações escolhidas e no elenco, é possível compreender o diferencial entre um filme de sucesso e o que está fadado ao fracasso. Levinson e sua equipe selecionaram atores que representam com grande intensidade. Desde os já consagrados até os desconhecidos do grande público (como por exemplo o dono do bar Jimmy Wah, interpretado por Cu Ba Nguyen) mostraram um entrosamento e uma dedicação indescritíveis. As emoções são verdadeiras para os que acompanham a trajetória do locutor ou do tenente invejoso, apenas para citar. Houve cumplicidade para que o filme fosse finalizado e é impossível não se emocionar com os grandes e pequenos personagens deste drama (sim, apesar da comédia, é um drama) dosado com humor. 
Locações fantásticas, tomadas aéreas belíssimas, trilha sonora primorosa, atuações inesquecíveis e uma guerra vista não com o ódio, mas com o compromisso de mostrar que toda história tem duas versões. O Vietnã é um trauma para muitos americanos... mas não para Barry Levinson.

Amor e traição

Amor e traição são abordagens presentes em toda a história. Amor pela profissão. Traição ao companheiro. Amor por uma desconhecida. Traição por um conhecido. Amor por um desconhecido. Traição pelo desconhecido. Amor acima do preconceito. Traição por medo. 




O que me levou a fazer esta resenha


Há muitas grandes obras antes e após "Good morning, Vietnam". Filmes que - no entendimento de alguns - merecem uma matéria como esta. Então, o que me levou a publicar esta resenha? Simples. Este é um filme que ultrapassou o modismo, ficou apesar do passar dos anos e, certamente, irá ser visto por muitas outras gerações. Eu ainda me emociono com o enredo (simples, por que não?) e com as interpretações. Ainda fico triste ao ouvir "What a wonderful world" e rio com cada passagem onde o humor irônico de Robin entra em rota de colisão com as expressões e palavras de desdém de Bruno Kirby (Tenente Steven Hauk). É triste ver as tropas partindo para o confronto e, ao mesmo tempo, também é triste ver a realidade de um povo sofrido que, do nada, tem sua vida virada ao avesso por combatentes que os odeiam. Liberdade, medo, ódio, amor, relações e sentimentos em profusão são ingredientes que levaram "Bom-dia, Vietnã" a aparecer por aqui. Ah! Também não posso deixar de admitir que - como dito no início - sou um grande fã do trabalho de Robin Williams.








Ficha Técnica:
Título Original: Good Morning, Vietnam
Gênero: Comédia Dramática/Guerra
Tempo de Duração: 121 minutos
Ano: 1987
Direção: Barry Levinson
Roteiro: Mitch Markowitz
Música: Alex North
Fotografia: Peter Sova
Direção de Arte: Steve Spence
País de Orígem: Estados Unidos

Elenco:
Robin Williams (Adrian Cronauer)
Forest Whitaker (recruta Edward Montesque Garlick)
Tung Tranh Tran (Tuan)
Chintara Sukapatana (Trinh)
Bruno Kirby (Tenente Steven Hauk)
Robert Wuhl (Sargento Marty Lee Dreiweitz)
J.T. Walsh (Sargento Phillip Dickerson, 'Dick')
Noble Willingham (General Taylor)
Richard Edson (recruta Abersold)
Juney Smith (Sargento Phil McPherson)
Richard Portnow (Dan Levitan)
Floyd Vivino (Eddie Kirk)
Cu Ba Nguyen (Jimmy Wah)

Jude Law pode interpretar astro do cinema mudo Douglas Fairbanks


Fonte: Telecine

Segundo informação da revista Forbes, o astro britânico Jude Law está negociando para assumir o papel da lenda do cinema mudo Douglas Fairbanks na cinebiografia da atriz Mary Pickford, uma das primeiras estrelas da história de Hollywood. Fairbanks ficou conhecido como Robin Hood no clássico de 1922.  O novo projeto é baseado na biografia “Pickford: The Woman Who Made Hollywood”, mas ainda não tem diretor definido. No entanto, Jonathan Demme, de O Silêncio dos Inocentes, tem sido cotado para assumir as filmagens.

Jovem egípcia cria novo sistema de propulsão espacial


Fonte: Galileu
A física Aisha Mustafa, de 19 anos, usou conceitos de física quântica para criar um sistema de propulsão espacial que usa física quântica em vez de motores.
Para entender a ideia da moça, você precisa mudar um pouco seus conceitos. Pense que no Universo não existe vácuo, que os vazios são lugares cheios de partículas e anti-partículas, mas que elas não conseguem ser detectadas por se anularem muito rápido. Aisha inventou uma forma de interagir com esse mar de partículas, usando telas de silicone para criar, literalmente, uma rede de força entre elas. E, força, significa um puxão ou um empurrão – equivalente, nesse caso, a um motor.
Lógico que não é tão simples assim, existem muitos detalhes técnicos, mas em termos de propulsão para viagens espaciais, isso é um grande passo. Atualmente, usamos os foguetes para lançar objetos no espaço – queimamos combustíveis, o que causa uma explosão controlada que propulsiona o objeto para a frente. Um sistema complicado, tanto para sair da Terra quanto para fazer manobras no espaço.
Já a invenção de Mustafa é incrivelmente mais simples. Ela não precisa ser abastecida com combustível, usa o que tem ao seu redor. Isso quer dizer que os lançamentos e manobras espaciais seriam mais simples e baratos.
A física já patenteou a invenção, com a ajuda de sua faculdade, e espera continuar fazendo pesquisas nesse campo. O problema, segundo ela, é que ela não tem nenhuma bolsa ou incentivo que possa ajudá-la a testar seu invento. Até receber incentivos, essa nova forma revolucionária de propulsão deverá ficar “na garagem”.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Estátua de cera do Hulk será inaugurada em junho (com vídeo)


Fonte: News Lite
 
Escultores no Madame Tussauds, em Londres, estão finalizando a maior estátua de cera já criada, um Incrível Hulk com 4,5 metros de altura. A criação de pele verde é a estrela de uma atração futura interativa de super-heróis, onde os visitantes vão ficar trancados no laboratório com ele, apenas depois de sua transformação.
Eles ouvirão o seu trovejante rosnar e o chão vibrará sob os pés dos visitantes. Os músculos oscilarão e os olhos terão brilho. 
É tudo parte do acordo com a Marvel para criar uma área de exibição com 900 metros quadrados e mais de três andares. Outros super-heróis que estão sendo recriados para inclusão na mostra: Wolverine, Nick Fury e A Mulher Invisível.
"Estamos muito satisfeitos por trabalhar com a Marvel e alguns dos personagens mais interessantes do entretenimento moderno", comentou Edward Fuller, gerente geral do Madame Tussauds de Londres.

"O casamento de ação repleto de animação 4D, dos sets atmosféricos e figuras de cera Madame Tussauds vai dar aos fãs uma maneira totalmente diferente de interagir com os seus heróis favoritos da Marvel. Nós estamos ansiosos para entregar uma experiência emocionante e dinâmica e que será, provavelmente, um enorme sucesso com os nossos clientes. " 

Estréia em 23 de junho.

 

Um talento que precisa ser divulgado: Noel Cruz e suas bonecas personalizadas.



O artista filipino Noel Cruz é um dos talentos mais incríveis que já tive notícia. Sua arte consiste em reestruturar e pintar bonecas para transformá-las em réplicas perfeitas de artistas e personagens de cinema. Além deste grande talento, Noel também trabalha com desenhos, mostrando versatilidade e criatividade. Suas obras são vendidas pela internet e é possível conhecer muito mais sobre seus trabalhos através de seu site pessoal: Noel Cruz.

O Diabo veste Prada
Biografia do Artista:

Noel Cruz é um dos artistas mais versáteis na arte de repintar bonecas. Ele é mais reconhecido por seu caráter e bonecos baseados em celebridades devido à sua estranha semelhança com as pessoas que eles retratam. Suas bonecas são derivadas de vários modelos, como Gene, Tyler, Sydney, etc, por fabricantes de bonecas diversos, tais como Robert Tonner e Franklin Mint. Seus repaints (repinturas), bem como os seus retratos são feitos com intrincados detalhes, a ponto de adquirrem uma essência naturalmente realista. Altamente considerado entre os colecionadores e artistas, Noel busca divulgar  e trazer uma nova abordagem para a boneca de massa comum produzidos com cada rosto por ele pintado.

Nascido e criado em Manila, Filipinas, Noel Cruz veio de uma família pobre para dizer o mínimo. Sendo o terceiro mais velho de 6 irmãos, Noel começou a trabalhar desde criança em uma casa, fazendo limpeza para ajudar a sustentar sua família. Apesar das dificuldades definido seu modo de vida que desempenhou um papel importante para o futuro de Noel. Ser uma criança sem brinquedos, nem a liberdade de estar com outras crianças, Noel descobriu outra saída para a sua mente jovem e criativa: arte. Todo dia ele passou os momentos de tempo livre que tinha rabiscando em qualquer pedaço de papel que pudesse encontrar e seu hobby recém adquirido rapidamente se tornou uma paixão crescente. Com a idade de 12 anos, olhando para a janela do seu vizinho, Noel viu na televisão a cerimônia de 1974 do concurso Miss Universo. Tendo pela primeira vez visto tantos diferentes rostos bonitos, Noel adquiriu o seu novo fascínio pela tela e, a partir de então, focou-se na criação de retratos.


Apenas 2 anos depois, Noel também descobriu a série televisiva "The Bionic Woman" que se tornaria o seu programa favorito o tempo todo, e retratos de desenho de sua estrela, Lindsay Wagner, seria, inevitavelmente, sua inspiração para a arte final em rosto. Como a paixão dele cresceu, assim como seu talento, na idade de 16 anos, sem qualquer treinamento formal, Noel vendia seus retratos como um trabalho sob encomenda.

Christopher Reeve - Superman



Vários anos mais tarde, depois de ter imigrado para os Estados Unidos com sua esposa e filho, Noel começou a colecionar bonecas. Sua esposa sempre quis ter sua coleção própria de bonecas, e sem nunca ter sido capaz de ter as suas próprias figuras de ação como seu filho, Noel interessou-se e começou a colecionar bonecas para ela. Conforme os anos passaram sua coleção cresceu e ele se tornou um hábil pintor, levando inclusive sua arte para o "Arte Via" evento de pintura de rua em Bakersfield.


Em 2001, buscando no ebay por uma boneca "Gene" para aumentar ainda mais a coleção de sua esposa, descobriu bonecas repintadas. Vendo como único e belo rosto de uma boneca pintada podia olhar, Noel ficou curioso e animado para fazer a sua própria. Para ele era como a customização da boneca final. Ele logo percebe, no entanto, que a pintura de um rosto pequeno de plástico era muito diferente da pintura em uma tela grande e plana, mas uma vez que ele tem seu talento, foi capaz de traduzir seu conhecimento fundamental da arte, bem como sua paixão, através das face das bonecas que pintava.

 



8 anos e centenas de bonecas mais tarde, Noel domina seu ofício. Os rostos, desde então, retratados variam de ícones clássicos como Bette Davis, e estrelas recentes como Robert Pattinson, e até mesmo alguns nunca antes vistos. Estas bonecas agora estão nas mãos orgulhosas de colecionadores diferentes em todo o mundo. Muitas destas obras também foram destaque em várias revistas e artigos. Uma em particualr era sua repintura de uma "Sybarite" boneca que retratava Angelina Jolie, que desde então recebeu muita atenção.





Santani e suas criaturas sinistras


Lembram-se dos Gremlins? Essas criaturas, produzidas pelo artista Santani são um misto das criaturinhas do cinema e também das monstruosas criações de Tim Burton. A maioria não é recomendável para crianças, porém são arte em puro estado. 
Maiores informações, acessem a página do criador Santani










Competição injusta: Charlize Theron e Kristen Stewart


Elas contracenam no filme Branca de Neve e o Caçador e são belas mulheres. Contudo, mesmo muito mais nova e - atualmente - badalada, Kristen Stewart (a Bella, de Crepúsculo) não conseguiu derrotar os feitiços (ou seriam encantos?) da bruxa má interepretada por Charlize Theron. Muito mais bonita que sua companheira de filme, Charlize ainda mantém a beleza de uma mulher que já foi considerada uma das mais belas do mundo. Certamente a jovem Kristen teria maior destaque caso a bruxa fosse outra mulher, mas a realidade é que, diante de Charlize Theron, o espelho jamais irá dizer que a Branca de Neve é a mais bela. Confiram as duas em suas formas mortais e vejam o banho de leite (na verdade, milkshake) que a bruxa tomou no filme.

E para você, qual das duas é a mais bela? (sem trocadilhos)...









A Possessão. Conheça o filme e os pôsteres (inspirados em O Exorcista).



A caixa é real, sua maldição é lendária. O premiado Ole Bornedal dirige o conto do pesadelo horrível desencadeado sobre uma família que inconscientemente traz uma caixa amaldiçoada para sua casa. A caixa da vida real ganhou notoriedade em 2004, quando foi vendida no eBay depois de causar má sorte inexplicável para seus proprietários, atribuída a um dibbuk - um espírito malévolo do folclore judaico preso na caixa mal-assombrada. Dirigido por Ole Bornedal. Roteiro por Juliet Snowden e Stiles White. A Lionsgate e Ghost House Pictures apresentam. (Sinopse via Cinema Blend)

Pôster do filme A Possessão, claramente inspirado em O Exorcista


O Exorcista. Compare as similaridades visuais dos dois pôsteres



terça-feira, 29 de maio de 2012

Darth Vader assalta e foge de bicicleta


Fonte: G1

Um homem roubou um banco em Toledo, no estado de Ohio (EUA), usando uma máscara de Darth Vader, personagem da saga "Star Wars". O assalto ocorreu por volta das 15h da última quinta-feira. O ladrão, que estava armado e levou uma quantia de dinheiro não revelada, fugiu de bicicleta, segundo reportagem da emissora "WPTV".

Justiça determina filmes com legenda para deficientes auditivos


Fonte: Terra
A Justiça Federal em São Paulo determinou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) exija, nos filmes que financiar, a inclusão de legendas ocultas (closed captions). A decisão da juíza substituta da 23ª Vara Cível, Fernanda Soraia Pacheco Costa, diz que em 60 dias os editais do banco deverão passar a exigir as legendas de apoio para deficientes auditivos.
A decisão atende a um pedido de tutela antecipada do Ministério Público Federal para garantia do cumprimento do dever constitucional de inclusão das pessoas com deficiência auditiva, oferecendo acesso à cultura.
A juíza entendeu, no entanto, que a inclusão de legendas abertas seria prejudicial às produções cinematográficas brasileiras, porque impossibilitaria que os filmes fossem assistidos sem legendas. Por isso, a magistrada preferiu seguir a sugestão da Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (Feneis), que apontou as closed captions como uma medida eficaz.
A magistrada Fernanda Costa destacou ainda que já existe uma lei que determina que as salas de cinema possuam meios eletrônicos para permitir o acesso às pessoas com esse tipo de deficiência. A juíza pondera, entretanto, que não há produção de filmes legendados para atender à legislação.

O sonho do italiano - Silvio Berlusconi está morto.


Fonte: G1
Dois artistas italianos, Antonio Garullo e Mario Ottocento, criaram uma obra polêmica até em seu título. "O sonho do italiano" é a figura de cera do ex primeiro-ministro italiano deitado em um caixão de vidro.
A ironia vai além, a figura de Silvio Berlusconi aparentemente está sorrindo e veste pantufas, simulando um descanso tranquilo. A obra está exposta no Palácio Ferrajoli, no centro de Roma.

* "O sonho do italiano" não se refere ao descanso eterno do sinistro Berlusconi, líder que quase colocou a Itália em rota de colisão com a falência. Corrupção, máfia e escândalos foram os pontos fortes do governo deste ilustre cidadão italiano e, por isso, o sonho de todo italiano é vê-lo em um caixão. 
Os artistas italianos, Antonio Garullo e Mario Ottocento, posam em frente a obra exposta em Roma (Foto: Filippo Monteforte/AFP)



Livros clássicos são distribuídos de graça em terminais de ônibus


Fonte: Livros e Pessoas
A partir desta segunda-feira (28), os paulistanos podem retirar gratuitamente até um exemplar dos livros “A Nova Califórnia e Outros Contos”, de Lima Barreto, e “Contos Paulistanos”, de Antônio de Alcântara Machado, em um dos quatro pontos de distribuição do projeto De Mão em Mão.
Os livros ficam disponíveis de segunda a sexta-feira, das 10h às 20h, e sábado, das 10h às 18h, nos terminais de ônibus Mercado (centro), Santo Amaro (zona sul), Pirituba (zona norte) e Antônio Estêvão Carvalho (zona leste). Não é preciso apresentar nenhum documento.
Inspirado na iniciativa colombiana Libro al Viento (Livro ao Vento, em espanhol), o De Mão em Mão reedita e distribui obras de autores brasileiros para despertar o interesse pela leitura.
“Levando em conta que o modelo colombiano é bem-sucedido e reconhecido internacionalmente, a gente pensou em adaptá-lo para São Paulo”, diz o editor-executivo da editora Unesp, Jézio Hernani.
A ideia é que os leitores passem o livro adiante quando terminarem a leitura ou que o devolvam para os pontos de distribuição, onde outras pessoas poderão retirá-lo.
As reedições são feitas pela Unesp, com uma tiragem de 20 mil exemplares por título, em parceria com a Secretaria de Cultura de São Paulo. Haverá ainda a possibilidade de baixar a versão digital dos livros no site www.bibliotecas.sp.gov.br/demaoemmao, previsto para entrar no ar a partir desta terça (29).
SELEÇÃO
Este é o segundo lançamento da coletânea, que começou em dezembro do ano passado com a obra “Missa do Galo e Outros Contos”, de Machado de Assis. “A coleção é uma paquera com os leitores que não estão acostumados com o hábito de ler”, diz Hernani.
Os títulos são selecionados por um conselho editorial formado por professores, editores e escritores, entre eles o poeta Sérgio Vaz, fundador da Cooperifa (Cooperativa Cultural da Periferia).
Autores como Mário de Andrade e João Cabanas estão entre os que terão obras publicadas nos próximos meses, segundo o editor-executivo da Unesp. O lançamento dos próximos livros está previsto para ocorrer até julho.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

10 atores que incorporam - literalmente - seus personagens


Esta lista foi compilada pelo pessoal do This Blog Rules e está quase perfeita. Tem algo a acrescentar? Discorda? Mande uma mensagem ou comente no post com a sua lista das mais célebres e incríveis transformações de atores e atrizes para interpretar seus personagens...

10. Philip Seymour Hoffman interpretou o papel tão famoso escritor Truman Capote em 2005 o filme biográfico "Capote". Ele ganhou vários prêmios, incluindo Melhor Ator no Oscar.

9. Em 1998 no famoso filme sobre esporte "Sem Limites", Billy Crudup executou com mastria o papel do corredor Steve Prefontaine. O papel foi planejado para Tom Cruise, em primeiro lugar, mas ele decidiu que era velho para o papel.

8. O porto-riquenho Benicio del Toro foi a escolha perfeita para atuar nas duas pertes do filme "Che", como a figura do famoso revolucionário Ernesto "Che" Guevara.

7. O ativista dos direitos gay e político Harvey Milk foi interpretado por Sean Penn no biográfico "Milk" filme de 2008. A transformação estética de Sean Penn no filme incluía um nariz protético e os dentes, lentes de contato e cabelo redesenhado. Sua maquiagem foi feita por um vencedor do Oscar.

 6. Helen Mirren fez o papel da Rainha Elizabeth em 2006 no drama histórico britânico "The Queen". A atriz disse que transformar-se em a rainha não era difícil após a peruca e óculos, especialmente porque ela tem as mesmas expressões faciais com a boca ligeiramente virada para baixo, como a própria rainha.


5. Este filme de 2002 mostra a vida profissional e privada da pintora mexicana Frida Kahlo, que foi interpretada por Salma Hayek. Para fazer o personagem do filme Frida mais realista, Salma deixou cresceu o buço sobre o lábio superior. Madonna e Jennifer Lopez também interessaram-se em desempenhar esse papel.


4. Emile Hirsch interpretou o papel do aventureiro Christopher McCandless no filme americando de 2007 "Into the Wild". Ele teve que perder 40 quilos para interpretar o papel. Não houve dublês para Emile, nem mesmo na corredeira, subidas de montanhas e cenas com urso. 

3. Na história do cinema, muitos atores desempenharam Adolf Hitler, mas ninguém que o fez é tão convincente como o ator suíço Bruno Ganz. Como preparação para o filme "Der Untergang" (A queda), ele passou algum tempo com os doentes de Parkinson em um hospital.

2. Jamie Foxx conseguiu o Oscar de Melhor Ator por interpretar o lendário músico Ray Charles no filme "Ray". Jamie Foxx teve que usar próteses oculares que o deixavam literalmente cego por até 14 horas por dia durante a filmagem. Ele próprio tocava piano em todas as cenas, e assistiu a aulas no Instituto Braille para que pudesse ajudá-lo a desempenhar o papel de Ray Charles.

1. Charlize Theron ganhou vário prêmios por interpretar em 2003 o drama biográfico "Monster", como a serial killer Aileen Wuornos. Theron ganhou 30 quilos e usava os dentes protéticos para se parecer mais com a personagem do filme. Críticos de cinema disseram que a participação Theron no filme não foi um desempenho, mas uma incorporação.


Minhas observações: 
Algumas das mais interessantes atuações do cinema estão reunidas nesta lista. Não são todas as transformações, mas - principalmente as três primeiras colocações - são fruto de uma dedicação extrema às personagens interpretadas. Semelhanças físicas ou maquiagem à parte, A Queda, Ray e Monster são grandes produções cinematográficas por conta de um enredo coerente e pelos atores e a atriz de seus elencos. Bruno Ganz é um Hitler que nos dá a nítida impressão de vermos um documentário, não um filme baseado nos últimos dias de vida do Fuhrer. Jamie Foxx está impressionante como Ray Charles, mostrando uma dedicação ímpar para incorporar o cantor. Já Charlize Theron provou que não é apenas um rosto lindo no cinema, pois sua interpretação é assustadora - literalmente - na pele da assassina Aileen Wuornos, tendo assumido trejeitos, expressões e até o ódio que a mais famosa serial killer america tinha.


Expresse sua opinião e aponte os pontos positivos e negativos desta lista. Sei que há outras caracterizações tão boas quanto estas e, por isso, preciso da participação de vocês.
Abraços...
Franz.

←  Anterior Proxima  → Página inicial