{lang: 'en-US'}

domingo, 31 de março de 2013

Feliz Páscoa! Mas de uma forma diferente...


Eis uma Páscoa inusitada:




Obrigado a todos pelo sempre constante apoio e divulgação. Feliz Páscoa, meus amigos.
Franz.


Nova parceria com a escritora Roberta Spindler.


É com grande orgulho que anuncio a parceria entre o Apogeu do Abismo e a escritora Roberta Spindler, autora de Contos de Meigan – A Fúria dos Cártagos, além de vários contos em antologias. Roberta também participou como colaboradora do blog Um Ano de Medo.
Quer saber mais sobre a autora e seu livro, antes que a resenha seja publicada aqui? Então, prepare-se, pois muito ainda virá:

SINOPSE:

" Meigan é um mundo diferente do nosso, morada de seres especiais e poderosos que se denominam magis. Na aparência são exatamente como nós, mas as diferenças não podem ser ignoradas por muito tempo. Os magis tem uma relação especial com a natureza e seus elementos, moldando-os a sua vontade e apoderando-se de sua força. Esses elementos, chamados mantares, não se limitam apenas aos conhecidos fogo, terra, ar e água. Existem muitos outros, como as sombras, o tempo e até mesmo o controle sobre o próprio corpo. Ter a capacidade de decifrar, entender e interagir com a natureza é um dos principais requisitos para a evolução de um magi.
Contos de Meigan – A Fúria dos Cártagos começa com Maya Muskaf preparando-se para voltar para casa. Depois de três anos vivendo na Terra, o momento de retornar a Meigan finalmente havia chegado. Ela estava preocupada, pois alguma coisa afetava seu controle sobre os mantares, talvez algum resquício da misteriosa doença que a debilitou durante a infância. Com medo de estar novamente doente e para conseguir respostas, decidiu colocar de lado suas diferenças com sua mãe, a principal governante do mundo magi. Voltaria a Katur, capital de Meigan, e pediria perdão por todas as brigas passadas.
Assim, deixou sua vida terrena de lado e entrou na primeira caravana que encontrou. Entretanto, seus planos acabaram tomando um rumo muito diferente daquele que imaginara. Os soldados que escoltavam a caravana acabaram achando destroços e um corpo no chão. Logo que avistou o homem morto, com os cabelos tão brancos quanto sua pele e os olhos inteiramente negros, Maya soube que se tratava de um dos cártagos – antigos magis que traíram seu povo e por isso foram banidos para uma dimensão paralela.
As implicações para tal presença em território magi eram gravíssimas e não demorou muito para que Maya e seus companheiros descobrissem que os magis traidores estavam tomando o Solo Sagrado e derrubado seus portões de defesa. Agora, em meio ao caos de uma violenta batalha, Maya vai precisar lutar para sobreviver e conseguir respostas para as perguntas que lhe afligiam. Como os cártagos conseguiram acesso ao Solo Sagrado? Onde estavam os guardiões dos portões, os mais poderosos guerreiros de Meigan? E, a mais importante de todas, conseguiria chegar a Katur a tempo de encontrar sua mãe?"
O livro conta com 618 páginas...

SOBRE A AUTORA:


Roberta Spindler nasceu em Belém do Pará, em 1985. Graduada em publicidade, atualmente trabalha como editora de vídeos. Nerd confessa, adora quadrinhos, games e RPG. Escreve desde a adolescência e é apaixonada por literatura fantástica. Tem contos publicados em diversas antologias e escreveu o romance Contos de Meigan – A Fúria dos Cártagos em parceria com Oriana Comesanha. Twitter: @robertaspindler Blog: www.rspindler.tumblr.com
Seus contos também estão disponíveis pela Amazon. Clique e confira:

 
 

sexta-feira, 29 de março de 2013

Resenha da animação Loki e Thor: Irmãos de Sangue.


Antes de ler essa resenha, veja o que disse Filipe Gomes Sena sobre a Graphic Novel que deu origem a esta obra: "Loki".

Texto por Franz Lima

O que aconteceria se Thor e Asgard sucumbissem à tirania de Loki? Quais seriam os passos futuros do meio-irmão do Deus do Trovão? Essa é a premissa de Thor e Loki: irmãos de sangue, uma animação feita com base na graphic novel 'Loki'. 
A animação, tal qual sua fonte, revela um futuro alternativo onde o deus da Mentira, Loki, sagrasse vitorioso e aprisiona Thor. Com o intuito de humilhá-lo ininterruptamente, o vilão pretende mantê-lo em cativeiro infinitamente, infligindo-lhe contínuas torturas e vergonhas.
Mas um rei não vive só de diversão. Loki, como novo governante de Asgard, descobre muito cedo que o peso do trono é grande. O fardo em liderar exige muito. Estar à frente do poder é expor também suas próprias fraquezas.
Cansado de tantas cobranças, entediado, o semi-deus isola-se em seus aposentos e, finalmente, recebe uma cobrança ainda maior: o pedido da cabeça de seu irmão de criação.
Alternando o presente e o passado, Loki oscila em uma balança na qual o medo das sequelas por desobedecer a ordem da morte de Thor e o passado vivido juntos irá decidir pela vida ou morte do filho de Odin.
O destaque inicial está na animação que, mesmo em Motion Comic, surpreende pela qualidade. Não esperem encontrar uma superprodução do gênero, mas o visual é bem atraente.

Não sei se há uma versão nacional, porém as vozes originais - em inglês - dão o tom certo à trama e garantem uma tensão compatível com os acontecimentos. É possível acreditar que as vozes realmente pertencem a seus personagens. A trilha sonora é um complemento que cria e reforça ainda mais a atmosfera dos acontecimentos. 
Outro detalhe interessante é a caracterização do Deus da Mentira. Loki é forte, mas sua face é tão sulcada quanto a de um ancião. Poucos dentes ele ostenta e é possível ver que o tempo não foi gentil. Parece que buscaram mostrá-lo cansado por tantas lutas até a tomada do poder em Asgard. Caso tenha sido essa a intenção, eles acertaram em cheio.
Como dito anteriormente, o uso de flashbacks é constante e auxilia-nos a compreender um pouco mais da personalidade, dos 'motivos' pelos quais Loki tornou-se o que é. São essas viagens aos momentos juntos do Deus do Trovão que semeiam a dúvida no coração de Loki. É lícito acabar com seu eterno antagonista?
Mas a trama ainda guarda detalhes que surpreendem. Traição, ciúmes, uma infância onde ele é relegado ao desprezo por seus 'pares'. O roteirista e o desenhista fazem questão de frisar o escárnio dos outros deuses por Loki, criando uma certa simpatia entre o usurpador e os espectadores. Algumas passagens chegam a por em dúvida a culpa do meio-gigante por seus atos.


As alianças são uma interessante e intrigante parte da obra. Loki ascendeu ao poder, porém, tal como um político, precisou de inúmeros aliados que, ao seu devido tempo, voltam para cobrar os favores prometidos. Corrupção em larga escala é o que vemos.
Entretanto, uma questão fica no ar desde o início do primeiro capítulo: Loki manterá seu governo? É seu destino sentar-se definitivamente no trono de Asgard? Pode o caos propagar a ordem? Vejam e tirem suas próprias conclusões...

Drama psicológico:

Loki e Thor: irmãos de sangue, recebeu esse título por méritos. A animação tem uma alta dose de conflitos e mostra com uma narrativa absolutamente cativante, o quanto podemos ser influenciados por traumas de um passado não tão distante. Loki culpa a todos por moldá-lo como o vilão, uma espécie de contrapeso que iria também moldar o heróico Thor. Como no Ying e Yang, os irmãos estão intrínsicamente ligados por um destino onde a derrota de um será a consagração de outro.

Do meu ventre viestes...

Qual a origem do mal? Esse questionamento é imposto por todos os episódios e leva-nos a uma reflexão sobre os efeitos de uma infância traumática. Atual, o enredo aborda o tão polêmico 'bullying' e os prejuízos de uma criação onde a atenção é dividida em proporções desiguais. Tal abordagem é algo que eu jamais esperaria encontrar em uma produção da Marvel.
Mas a maior de todas as lições englobou duas perguntas: quanto tempo temos para tomar uma decisão correta? O amor entre dois irmãos é capaz de superar o ódio?

Gran Finale

Thor & Loki: Blood Brothers é uma animação primorosa, complexa e que precisa ser vista com um olhar crítico. As lições embutidas, o visual, o apuro nas caracterizações, frases e as entrelinhas tornam essa obra algo inesquecível. 
Recomendo a leitura da Graphic Novel e que assistam a essa minissérie pois há longos anos não via algo capaz de provocar tamanha reflexão.

Notas:
A história foi escrita por Robert Rodi  e a arte ficou a cargo de Esad Ribic. A direção é da dupla Joel Gibbs e Mark Cowart. A empresa por trás da animação é a Magnetic Dreams. 
A apresentação inicial usa as imagens das capas da série em quadrinhos, criando um vínculo entre o leitor e a animação ou, ainda, incentivando a busca do espectador pela obra impressa. 
Especial atenção à trilha sonora que, invariavelmente, é imprescindível para o clima das cenas mais importantes de toda a minissérie.



quinta-feira, 28 de março de 2013

Como foi o evento de lançamento do livro 'O Espadachim de Carvão'.


Estive no lançamento do livro 'O Espadachim de Carvão', obra escrita pelo amigo e podcaster Affonso Solano. Para os que ainda não conhecem o autor, Solano é colunista do Tech Tudo e um dos integrantes do melhor podcast sobre Cinema, Quadrinhos e Games: o Matando Robôs Gigantes.
A tarde (e noite) de autógrafos foi realizada na Livraria da Travessa, no Leblon - Rio de Janeiro. O sucesso do evento é indiscutível e contou com presenças ilustres de escritores e amigos, entre os quais destaco: Anderson Gaveta (Jovem Nerd), Beto Estrada (MRG), os escritores Raphael Draccon, Ana Cristina Rodrigues, Carolina Munhóz, Dan Albuk, Estevão Ribeiro e o cantor Gabriel, o Pensador, entre outros.


Franz,  Solano e Agnello
A espera foi grande, mas valeu cada instante na fila. Quando os fãs chegavam para o autógrafo recebiam, imediatamente, a simpatia e o bom humor de Affonso que comprovou ser realmene um cara muito gente boa. A receptividade e a atenção foram as marcas registradas do evento.
Nota: quando chegou a minha vez de ter o livro autografado, alguns parentes do Solano chegaram e ele, com muita educação, pediu para que eu cedesse a vez a eles, fato que prontamente atendi. Mas, quando ele viu que era eu o próximo, disse com muito humor: "-Ah! Você já é velho de guerra... pode aguardar." Isso se deve aos outros eventos em que estive e conversei com ele e outros brothers dos circuitos literário e blogueiro.
Ao amigo e escritor, desejo muito sucesso com sua obra. Que outras venham...
Abaixo, um trecho do livro:

"Três deles surgiram na curva norte do corredor, de cimitarras empunhadas e passos cuidadosos. As sombras haviam denunciado suas presenças de antemão, mas Adapak pôde ouvi-los muito antes disso, sussurrando intenções obscuras enquanto avançavam pelos intestinos da prisão. Os assassinos eram humanos de pele bege variando entre trinta e quarenta anos, vestindo armaduras justas de couro castanho-escuro e sem insígnias. Tinham rostos marcados pela vida bruta, com olhos acostumados à violência. Os dois que seguiam na frente exibiam sangue fresco nas lâminas, o que para Adapak significava duas coisas: tinham encontrado resistência e não eram exímios espadachins.



Eles mal tiveram tempo de registrá-lo; os Círculos os envolveram e ele obedeceu à risca, rasgando-os com alguns poucos movimentos e pintando de escarlate as paredes do corredor. Humanos eram mais macios que guandirianos, Adapak concluiu, sem orgulho."



quarta-feira, 27 de março de 2013

Lei põe fim a taxa extra a alunos com Down, autismo e deficiência mental. Via G1.



Uma lei publicada nesta terça-feira (26) no Diário Oficial proíbe escolas do Distrito Federal de cobrar taxas extras de alunos que tenham síndrome de Down, autismo ou algum transtorno do desenvolvimento. O G1 procurou o Sindicato das Escolas Particulares para comentar os efeitos da norma, mas não recebeu retorno até a publicação desta reportagem.
De acordo com a assessoria do deputado distrital Robério Negreiros (PMDB), autor da lei, a norma foi pensada a partir da denúncia de pais. Eles relataram cerca de 20 escolas que mantinham a prática e afirmaram que os valores chegavam até ao preço de uma nova mensalidade.
Um estudo feito pela Promotoria de Defesa da Educação do Ministério Público, apontou que a cobrança variava de colégio para colégio.
"Algumas escolas cobravam mensalidade dobrada, outras cobravam uma taxa na matrícula", explica a promotora Márcia Pereira da Rocha. "Tinham as que ainda diziam aos pais para contratarem um profissional para acompanhar o filho e as que davam a entender que era melhor a família procurar outra instituição."
No ano passado, o MP recomentou que as escolas particulares deixassem de cobrar a taxa, afirmando que qualquer custo adicional por conta de serviço de apoio especializado a esses alunos deve integrar a planilha de custos do colégio.
Fonte: G1

Franz says: uma excelente notícia que deve ser também aplicada aos demais Estados. Uma escola deve estar preparada para receber  - muito bem - as crianças do Down, Asperger ou qualquer outro Transtorno de Desenvolvimento. Não há limitações para essas crianças, exceto aquelas que a sociedade (inclua-se a Escola) possa impor. Autistas e outros com quaisquer defasagem de aprendizado podem crescer de forma saudável e ter um rendimento tão bom quanto ou melhor que seus amiguinhos 'normais'.
As escolas e professores precisam estar 100% preparados para receber nossas crianças, não importa quais problemas tenham. Todos tem o direito ao aprendizado e ao convívio com seus pares...
Excelente lei que merece a divulgação e o apoio. 

Inacreditáveis imagens 3D. Realismo ao alcance de todos...


Esta seleção é para os que apreciam o realismo que só uma imagem 3D pode oferecer. Mesmo valendo-se da tecnologia antiga dos óculos de lentes vermelha e azul (necessários para visualizar), o resultado final sempre surpreende. Caso queiram ver as imagens em tamanho maior, basta clicar nas mesmas.
Espero que curtam...
Seleção feita pelo meu amigo Agnello.
Abraços.
Franz.
Fontes: 3Dblog.com e outros sites.

Pegue o seu e divirta-se...















































←  Anterior Proxima  → Página inicial