{lang: 'en-US'}

sábado, 30 de novembro de 2013

Darkstalkers Resurrection - Personagens na visão do grande desenhista ArtGerm



Fonte das imagens: ArtGerm. Texto: Franz Lima.
Games são algo cativante não só por suas tramas e combates, como também por seus personagens cada vez mais interessantes e bem elaborados. Mesmo se baseando em criaturas clássicas, o game Darkstalkers Resurrection é um sucesso por englobar monstros de várias épocas com um visual renovado e, ainda, por receberem cada um deles uma personalidade diferenciada e interessante.
Mas o que também atrai um público enorme - e o cativa - são os visuais dos personagens e, lógico, seus fantásticos poderes e golpes (Darkstalkers é um game de luta que chamou a atenção dos fãs de Street Fighter e Mortal Kombat).
Stanley Lau - aka ArtGerm - compilou algumas dessas criaturas e nos proporcionou versões à altura da concepção original. Vejam algumas dessas artes... e divulguem a arte de Stanley.


Demitri

Felicia

Jon Talbain

Lord Raptor

Morrigan

Anakaris

BBHood

Bishamon

Donovan

HsienKo

Sasquatch

Victor




Maquiagens aterrorizantes feitas pela expert Verauko.



Fonte: Verauko Deviantart

Os efeitos especiais que são tão comuns em filmes de terror requerem um aparato tecnológico gigantesco, principalmente por conta das exigências de um público cada vez mais consciente desses efeitos. 
Mas e quanto aos tradicionais efeitos visuais feitos por maquiadores? Será que não há mais espaço para eles? 
Em resposta à pergunta acima, apresento-lhes os trabalhos de uma artista polonesa dona de um talento ímpar. Suas artes são extremamente detalhadas e ganham um efeito 3D impressionante, sem quaisquer aparatos digitais. 
Essa merece estar no hall dos artistas do Apogeu. 





 



sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Michal Dziekan e sua arte repleta de humor, ironia e o macabro


A grande fuga

Michal Dziekan me surpreendeu pela ironia presente em algumas de suas obras. A primeira ilustração deste post, por exemplo, mostra um senhor com uma dívida gigantesca; ele tenta fugir da mesma forma que Carl Fredricksen (do filme Up - Altas Aventuras), porém com um desfecho menos feliz.


Michal mistura com grande talento o humor, a ironia e o macabro. Algumas de suas obras parecem saídas diretamente de um pesadelo. Mas fica evidente que há críticas e muita inteligência por trás de cada nova ilustração.


Aqui, o ilustrador polonês faz uma severa crítica aos malefícios do fast-food, em especial à rede McDonalds. O cara que está disfarçado de Ronald é muito parecido com o palhaço do filme It - A Coisa. As duas crianças também são uma referência aos personagens Hansel e Gretel (João e Maria) das fábulas.


Este é outro de seus trabalhos com alta dose de sarcasmo e crítica. Papai Noel é dispensado de suas funções por haver uma linha de montagem com robôs que irão fazer seu serviço. A cena revela algo muito comum em tempos de automatismo e produção em massa: a demissão de trabalhadores que não evoluíram a ponto de acompanhar as rápidas mudanças tecnológicas ou que simplesmente foram demitidos por causa de uma máquina que faz o mesmo serviço em menos tempo.

Conheçam mais do trabalho de Michal através de seu blogspot - Michal Dziekan.



quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Paula Bonet: a beleza feminina explorada pela arte, letras e pinturas.



Fonte: Paula Bonet Illustration.

Surrealismo, sensualidade e beleza... assim defino os trabalhos da artista Paula Bonet. Dona de um acervo dotado de pinturas extremamente belas e cheias de poesia, Paula ganha destaque a cada nova obra e já teve suas pinturas em exposições que foram absoluto sucesso.
Outro ponto interessante é que Paula adiciona textos poéticos a algumas de suas pinturas, criando um maior lirismo, fato que atrai também o público amante das letras. Paula evidencia seus traços com uma arte cuja técnica mistura fotografia, aquarela e composição de extremo bom gosto. 

Contatos com a artista: 
Wordpress - Paula Bonet
Site Oficial - www.paulabonet.com/  
Facebook - 



Arte surrealista

Poesia e pintura em uma só obra


Paula Bonet em pleno ato de criação


Arte também em madeira: ampliando o alcance de suas pinturas.




A foto que serviu de base para a pintura.

O resultado final...

Segundo a artista: para as mulheres cujos corações estão sangrando...

Paula Bonet


O Estúdio da Artista


quarta-feira, 27 de novembro de 2013

The Man of Tai Chi. Review do filme dirigido e estrelado por Keanu Reeves.


Os filmes antigos onde o Kung Fu ou o Karatê eram o tema principal sempre me fascinaram por sua estrutura singular, diálogos rápidos e as atuações exageradas. Como se seguindo o 'Caminho do Herói' descrito por Joseph Campbell, muitos roteiros tinham uma trama onde um homem descobria seus medos, enfrentava-os e, finalmente, vencia-os. Outro ponto do qual me recordo era o árduo trabalho das coreografias que, na época e em sua maioria, não dispunham dos recursos tecnológicos como hoje, incluindo os efeitos especiais. Muitos artistas marciais feriam-se durante os 'combates', o que não só mostrava a dedicação deles, como também dava uma sensação de veracidade ao espectador.
Mas o passado nunca fica esquecido.
Keanu Reeves é um ator muito conhecido do público ocidental. Ele atuou em filmes como Caçadores de Emoção e a trilogia Matrix, apenas para citar. Sua proximidade com a ação, logicamente, foi passada para este filme onde a adrenalina flui bem durante as cenas de luta.
Em seu primeira produção como diretor, Keanu é um agenciador de lutas ilegais. Sua índole violenta e cruel é demonstrada logo no início da produção, fato que, para observadores mais acostumados com este tipo de filme, entrega como será o final. 
Para investigar e apurar as lutas e os crimes relacionados a ela, a policial Suen Jing-Si (Karen Mok) coloca a própria vida em risco para elucidar os crimes e acabar com o esquema de combates ilegais.
As lutas são parte integrante de um reality show muito próximo do que vemos no UFC, porém sem quaisquer regras. Os lutadores são escolhidos por uma equipe que faz uma sondagem da vida dos participantes, descobrindo pontos fortes e fracos como lutadores, além de suas fragilidades da vida pessoal. 
Quando seu campeão tomba, Mark Donaka (Keanu Reeves) passa a buscar por um novo competidor capaz de cativar o público. Em uma luta oficial, Mark vê Tiger Chen, um lutador de Tai Chi que busca pela maior valorização de sua arte marcial. Com base nisso, Mark recruta Chen para participar de uma entrevista para um emprego como segurança, mas é apenas uma desculpa para testá-lo como combatente. Tiger mostra suas habilidades e impressiona Donaka. 
De volta a sua rotina, Chen continua seu trabalho como currier até que recebe a notícia de que seu templo será desapropriado por má conservação. Para salvar o templo, não resta a Chen outra alternativa que não seja lutar por dinheiro. 
O decorrer do filme mostra a absorção de Tiger pela violência e a vontade em provar que é o melhor. Suas atitudes vão degradando até um ponto no qual ele mesmo prejudica a preservação do templo, o respeito que seu mestre tem por ele. A imagem do Tai Chi foi maculada...
Como disse no início deste texto, a trama é previsível. A luta final (claro) tem ares de faroeste com uma boa dose de UFC, porém mantendo uma coreografia ótima que, para mim, peca apenas pelo uso dos cabos durante os combates. 
Observei que a direção de Keanu privilegiou a ação em detrimento do aprofundamento dos personagens, fato que não me surpreendeu por ser um filme obviamente voltado para entreter. Mesmo com algumas atuações no padrão 'overactor' (inclusive por parte de Reeves), The Man of Tai Chi agrada aos fãs do gênero e traz de volta a essência de games como Street Fighter e Mortal Kombat, onde vários estilos de luta eram postos à prova.  
Destaque para a cena onde Mark incita Chen a liberar seu lado negro, tal como Darth Vader fez com Luke (inclusive com a entonação da voz). O destaque negativo é a ausência de sangue e hematomas durante e após as lutas.
Há trechos onde é fácil identificar filmes como Ong Bak, Matrix e Star Wars, o que evidencia o tom pop da obra.
Levando-se em conta que o longa é inspirado nos grandes clássicos dos filmes de luta e que o roteiro segue um padrão já vigente, cabe ao espectador não criar grandes expectativas, desfrutando de um filme médio que tem méritos, mas não surpreenderá. 
Entretenimento e diversão, sem dúvida.

Dados Técnicos: 
Direção - Keanu Reeves
Coreografia de lutas - Yuen Wo Ping
Roteiro - Michael G. Cooney
Elenco - Tiger Chen (Tiger), Karen Mok (Suen Jing-Si), Keanu Reeves (Mark Donaka), Simon Yam (Superintendente Wong), Yu Hai (Master Yang) e Ye Qing (Ching Sha).

 


Como seriam os raios-x dos desenhos animados? A anatomia dos cartoons por Chris Panda.



Chris Panda é um ilustrador que imaginou algo muito interessante: como seriam os esqueletos dos desenhos animados? Baseando-se na anatomia de vários cartoons, Chris elaborou verdadeiros "raios-x" para mostrar-nos essa faceta desconhecida de personagens como Ariel, Popeye, Bambi, Sailor Moon, Alice, Malévola, Pato Donald, Frajola e outros.



Rihanna









←  Anterior Proxima  → Página inicial