{lang: 'en-US'}

terça-feira, 29 de abril de 2014

Governo Norte-Americano pede que não usemos o Internet Explorer


Fonte: Estadão 
 
SÃO PAULO – O governo dos EUA recomendou que usuários do Internet Explorer parem de usar o navegador até que uma falha anunciada no sábado seja reparada pela Microsoft. A advertência foi comunicada hoje pelo departamento governamental responsável pela segurança na internet.
O problema permite que se execute um código através do browser de outro computador e está presente em todas as versões do browser - 6, 7, 8, 9, 10 e 11. Através dela, por exemplo, um invasor pode criar um site falso e induzir o usuário a acessá-lo.
É a primeira ameaça grande a surgir desde que a Microsoft parou de fornecer atualizações de segurança para o sistema Windows XP no começo do mês.
Um órgão de segurança do governo britânico emitiu aviso semelhante no Reino Unido. Pediu aos usuários que procurem outros navegadores e que mantenham seus antivírus atualizados.

Scott Snyder e Jim Lee são os novos responsáveis pelo Superman.



Dois dos mais consagrados artistas em quadrinhos da atualidade se uniram para uma nova série do Superman. Escrita por Scott Snyder e ilustrada por ninguém menos que Jim Lee, 'Superman - Sem Limites' marca a nova fase do herói. Com esta dupla, a DC certamente terá suas vendas no título alavancadas, tal é a competência que possuem.
A dica desta notícia foi enviada pelo editor do Stephen King Brasil, Edilton Nunes.
A imagem original da capa está logo abaixo...

 
 

Alexys Fleming: a cosplayer que cria seus personagens só com maquiagem.


Ela já é um destaque na internet com seus canais do twitter, youtube e facebook. Alexys Fleming é uma bela americana que faz cosplays com o uso de maquiagem e, no máximo, uma lente de contato e um chapéu. 
Em sua galeria já figuram personagens como Subzero, Alice, o gato sinistro de Alice in Wonderland, Eddie do Iron Maiden, Rob Zombie, mulher de lava e muitos outros.
Alexys disponibiliza vídeos em seu canal do YouTube para mostrar como executa suas transformações. Vejam abaixo algumas de suas maquiagens...

















Entrevista com David Lloyd, criador de V de Vingança, ao Link



‘O futuro é digital e oferece boas perspectivas’

SÃO PAULO – Ilustrado por David Lloyd e roteirizado por Alan Moore, V de Vingança foi lançado em 1982 e a máscara de seu protagonista virou símbolo de resistência e luta. Hoje, o objetivo de Lloyd com seu Aces Weekly é oferecer uma alternativa ao mercado de quadrinhos impresso dominado por super-heróis e pela falta de empreendedorismo dos autores. O Link falou com ele por e-mail.

Como surgiu o Aces Weekly?
Era uma forma fácil de publicar e também de vender quadrinhos. Há tanto desperdício e custos desnecessários em impressão. Estamos no século 21, não precisamos imprimir porque temos computadores. Deveria significar uma revolução o fato do artista ser livre para publicar material e usar plataformas simples para chegar à sua audiência sem obstáculos.

Há muitos quadrinhos digitais publicados de graça. Por que as pessoas pagariam para ler?
Essa é a falha principal. Quadrinhos digitais ainda não são rentáveis pois a internet está cheia de coisa anteriormente impressa disponível de graça. Ou então por webcomics gratuitos, pois seus criadores estão preocupados em exposição. Esperamos dar aos autores algum retorno constante. Se acontecer, podemos tornar a publicação de HQs digitais tão bem sucedida quanto a impressa. Assim, os criadores seriam os principais beneficiados.

A internet é a principal diferença do seus primeiros anos como quadrinistas e hoje?
Sim. A posse, o controle da distribuição e da apresentação e a ausência de problemas da impressão tornam o formato muito atraente. O futuro é digital – e ele oferece boas perspectivas para os autores, só depende deles quererem.

Franz diz: uma iniciativa muito bacana de um autor que poderia fazer o que muitos outros fizeram: manter-se na calma do anonimato. A luta dele por uma melhor utilização da mídia digital e, consequentemente, o barateamento dos quadrinhos, é algo válido e que deveria ser feito com maior seriedade. Apesar das edições impressas sempre manterem um certo 'apelo' junto ao público veterano, é inegável a importância das edições digitais
 

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Os livros mais vendidos da Editora Intrínseca



Destrua este diário

Keri Smith


224 páginas


A culpa é das estrelas

John Green


288 páginas


O teorema Katherine

John Green


304 páginas


Cidades de papel

John Green


368 páginas


O lado bom da vida

Matthew Quick


256 páginas


Box Cinquenta tons de cinza

E L James




O ladrão de raios

Rick Riordan


400 páginas


Eu me chamo Antônio

Pedro Gabriel


192 páginas


Silêncio

Becca Fitzpatrick


304 páginas


Crescendo

Becca Fitzpatrick


288 páginas


←  Anterior Proxima  → Página inicial